Todos os produtores de eventos precisam conhecer a fundo o termo phygital. Afinal, essa é uma tendência que busca melhorar ainda mais a experiência do público, unindo o mundo físico ao digital.

A pandemia chamou atenção para a necessidade de se digitalizar e buscar atender às novas demandas de consumo da população.

Hoje, já é difícil separar a realidade do ambiente virtual na indústria de eventos. A todo instante, há uma infinidade de pessoas conectadas aproveitando as facilidades promovidas pelo universo online.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Comitê Gestor da Internet do Brasil, em 2020, o país atingiu a marca de 152 milhões de usuários de internet, o que significa que 81% da população com mais de dez anos têm acesso ao recurso.

Continue a leitura do artigo para entender melhor o que é phygital e como o conceito pode ser incorporado em shows, festivais, workshops e outras produções.

O que é phygital?

A palavra phygital é a junção dos termos em inglês physical (físico) e digital. Trata-se de um conceito cujo propósito é unir o que há de melhor dos dois ambientes para oferecer uma experiência integrada ao cliente.

Ou seja, a tendência implica em dar a possibilidade do público transitar pelos espaços reais e virtuais durante o contato com uma marca. Por exemplo, hoje, o organizador pode criar, vender e transmitir um show online, entregando ao participante mais comodidade.

Em uma produção presencial, é interessante utilizar a tecnologia para proporcionar mais interação da marca com as pessoas. O produtor pode investir em quizzes e formulários, que podem ser disponibilizados por totens espalhados no local do evento.

Outra forma de impressionar, é compartilhar durante a produção as fotos que os participantes forem publicando da festa nas redes sociais, exibindo-as por meio de telões.

A seguir, veja o que é preciso considerar para aplicar o conceito phygital nos eventos!

Phygital: o que considerar no setor de eventos?

Para tornar uma produção phygital, o organizador de eventos precisa reunir os aprendizados que a pandemia deixou para o setor, como a realização de shows, festas e outras ações com o apoio dos recursos online.

Com a população mais vacinada, é possível mergulhar ainda mais na tendência com a promoção de eventos híbridos, que entreguem possibilidades diferenciadas aos participantes com experiências complementares, como:

  • permitir que o público acompanhe online os bastidores de um artista que vai se apresentar presencialmente;
  • transmitir a cena de uma peça de teatro online em vários ângulos diferentes;
  • exibir a gravação da apresentação mais esperada para os participantes relembrarem de casa no pós-evento;
  • participação facilitada de palestrantes de outras cidades e países via internet;
  • entre outras possibilidades.

O segredo para acertar a mão e promover uma experiência integrada do físico com o digital está em colocar o ser humano em primeiro lugar, usando a tecnologia como meio e não como fim.

Alguns exemplos de aplicações tecnológicas que podem ser considerados em uma produção com o propósito de entregar vantagens e facilidades ao público são:

  • reconhecimento de local — o recurso pode ser usado para identificar o posicionamento de um participante no local do evento e enviar notificações personalizadas;
  • aplicativos do evento — permite que o organizador reúna as principais informações do evento em um só lugar e tenha uma comunicação mais próxima com o público;
  • ferramentas interativas nos eventos — o produtor pode oferecer experiências diferenciadas aos participantes com auxílio da realidade aumentada, inteligência artificial, quizzes e jogos virtuais, entre outros;
  • vendas de ingresso online — entrega muito mais praticidade às pessoas que não vão precisar se deslocar até um ponto ou loja física para comprar o tíquete.

Entendeu o que é phygital? Veja mais tendências do setor de eventos no blog da Sympla!

Até aqui, foi possível ver que os recursos digitais entregam uma série de conveniências tanto para quem produz os eventos como para quem participa.

A possibilidade de transmitir o conteúdo digitalmente e fazer a venda de ingressos online, por exemplo, pode ser mais econômica e conquistar um volume maior de participantes para o organizador.

Já os participantes são atraídos pela possibilidade de ter experiências ampliadas, assistir seus artistas preferidos de casa — muitas vezes no formato on demand —, evitar engarrafamentos e encontrar mais praticidade.

Para garantir o sucesso da produção, o organizador pode mesclar tendências para oferecer ao público o que há de mais moderno e agregador. Continue no blog da Sympla e leia também sobre o que considerar para o mercado de eventos em 2022.